passadicos

Os passadiços da região, lugares de paisagens ímpares e intocadas

O distrito de Aveiro está repleto de paisagens de palpável serenidade, em que facilmente o espírito se rende à natureza e aos seus impressionantes feitos. Exemplo disso são os lugares únicos, de beleza incontestável, em que foram desenhados diferentes percursos para fazer a pé e, em alguns casos, até de bicicleta. Os passadiços que por aqui se encontram são convites abertos a todos os que procuram adentrar-se na natureza e percorrer, sem pressa, os mais bonitos cenários da região. Convites que dificilmente recusam os que se encontram empenhados a conhecer as paisagens únicas de Aveiro de forma ativa e atenta. Uma vez aceite o desafio (ou desafios), os conselhos são simples: calçar algo confortável, não esquecer a máquina fotográfica, respeitar o meio ambiente e, claro, respirar fundo para tudo absorver.

 

 

Costa Nova – Vagueira

 

 

Fotografia: C.M. Ílhavo

 

Será talvez o menos falado e, ainda assim, um dos caminhos mais bonitos a percorrer na região. Esta via, pedonal e ciclável, liga a Costa Nova, uma das mais pitorescas praias de Portugal, à praia vizinha, Vagueira, num percurso marginal ao Canal de Mira da Ria de Aveiro. O cenário, em permanente mudança em função da luz e das marés, transpira leveza e tranquilidade e a experiência, de um contacto profundo – e inevitável – com a natureza, é marcante e, muito provavelmente, inolvidável.

 

 

Esgueira

 

passadicos esgueira

 

Fotografia: Sandra Bio

 

Os Passadiços de Esgueira, erguidos ao longo da água e, por vezes, até sobre ela, são um percurso de sete quilómetros que, de paisagem alinhada com a maré, surpreende, de todas as vezes, quem por ele se decide aventurar. Bastam alguns passos pela via em madeira para que a Ria pareça tomar conta dos sentidos e as aves, que por aqui vão cortando os céus, se tornem uma extensão de nós mesmos. De Aveiro, o trilho segue, por entre sapais e árvores imensas, em direção a Mataduços, Póvoa do Paço e Vilarinho. Aos mais atentos, não escaparão os dizeres populares semeados nos diferentes pontos de paragem.

 

 

Gresso

 

gresso

 

Não são os mais pequenos do país mas somam apenas um quilómetro e meio de extensão. Os Passadiços do Gresso são a prova de que um breve passeio por entre a natureza é suficiente para fazer despertar os sentidos e retemperar a alma. Aninhados numa ligeira encosta em Sever do Vouga, estendem-se ao longo de várias quedas de água e desníveis de um dos mais bonitos rios de montanha de Portugal – o rio Gresso, afluente do Vouga com origem no cimo da serra do Arestal.

 

 

Vagos

 

passadicos regiao vagueira

 

E porque a região não tem raízes somente na Ria mas também no mar, existem mais de três quilómetros de passadiços ao longo da costa, divididos entre as Praias da Vagueira, do Labrego e do Areão. Construídos em madeira, entre as dunas, são circuitos que celebram a identidade singular do concelho de Vagos no que diz respeito aos seus recursos naturais e permitem a quem os percorre, a pé ou de bicicleta, apreciar e fazer parte de um cenário único que dificilmente se esquece. Já na costa fluvial, neste braço da Ria, os sentidos podem ser despertados em três quilómetros e meio de passadiço ladeado pela floresta verdejante e águas azuis.  É, no entanto, na Vila de Vagos que o passadiço da Quinta do Ega, com apenas 350 metros de comprimento, se revela no seu esplendor, serpenteando em direção ao Rio Boco, por entre a zona de sapal e as diversas espécies de fauna e flora que nela habitam.

 

 

Barrinha de Esmoriz

 

ovar passadicos

 

Fotografia: Ovar Território Sustentável

 

Oito quilómetros ao redor da Lagoa de Paramos, entre canaviais e fauna diversa, com o som do mar, do bater de asas e do vento que toca os juncos. Os passadiços da Barrinha de Esmoriz, erguidos em madeira à volta da maior zona lagunar do Norte do país, revelam um imenso tesouro natural que, durante anos, esteve adormecido. Agora, depois de recuperada a Barrinha, são muitos os que caminham ou pedalam, sem pressa, com os olhos postos na paisagem envolvente. Por cima da lagoa, há uma ponte de madeira com mais de 40 metros de comprimento que liga o Centro ao Norte do país, de onde é possível absorver todo o cenário deste magnífico percurso circular.

 

 

Paiva

 

paiva

 

Distinguidos como “Melhor Projeto Europeu de Desenvolvimento Turístico” e “Melhor Atração de Turismo de Aventura do Mundo”, os Passadiços do Paiva são os mais conhecidos da região e os que, todos os anos, mais visitantes percorrem, cativados pela paisagem ímpar e intocada ao seu redor. Erguido na margem esquerda do Rio Paiva, no concelho de Arouca, o percurso de oito quilómetros faz a ligação entre as praias fluviais do Areinho e de Espiunca, levando curiosos de todos os pontos do globo a viajar pela biologia, geologia e arqueologia de um santuário natural, onde se movem águas bravas, reluzem cristais de quartzo e perambulam espécies em extinção.

Partilhar
avatar
  Notificações  
Notificação de