Garantidos 16 dias de animação com o Festival Cabelos Brancos

 

 

 

Durante 16 dias, entre 20 de setembro e 5 de outubro, Ílhavo serve de palco a momentos de festa, de criação artística, de expressão cultural, de reflexão sobre o envelhecimento e de reconhecimento do papel da mulher na maior idade. O Festival Cabelos Brancos compreenderá 40 iniciativas, entre concertos, oficinas, projetos comunitários, desporto, feira de artesanato e iguarias, terapias assistidas com animais, instalações e percursos artísticos, exposições, cinema, entre outros.

 

Promovido pela câmara municipal, em parceria com as instituições do município, o evento mantém o conceito da edição de 2018 repartindo-se em quatro vertentes: a arte, alicerçada na criação artística, na fotografia, na escrita, no artesanato e na música, fruto, essencialmente, do trabalho realizado nos diversos Laboratórios que se iniciaram em julho; a mudança, com espaços de reflexão e desconstrução de conceitos e preconceitos sobre o sénior e o envelhecimento; os trilhos, que procuram a descoberta de novas comunidades e experiências; e a tradição, valorizando a identidade e a história.

 

Tendo como foco principal o papel da mulher no envelhecimento, redescobrindo-a como mulher criativa, experiente e sábia, centrada na figura cultural e musical de Maria Ascensão, o Festival Cabelos Brancos arranca no dia 20 de setembro (sexta-feira) pelas 10h00, estando a abertura oficial agendada para as 10h30, no Jardim Henriqueta Maia (Ílhavo).

 

Das inúmeras e diversificadas iniciativas que preenchem os 16 dias de festa da Maior Idade, o início do festival será intenso, cabendo o destaque para o concerto da Lena d’Água, na sexta-feira, às 22h00.

 

Os dois primeiros dias da programação (20 e 21 de setembro) são ainda marcados pelas Exposições “Retratos e Mulheres” (pintura), “Maria Ascensão” (fotografia bordada), “As Mulheres de Ílhavo” (percurso artístico itinerante pelo centro urbano) e pelas Instalações “Aldeia das Mulheres de Pés Descalços” (análise estética do conceito de casa e Mulher), “Todos Nós podemos ser Maria Ascensão” (a voz e as memórias da comunidade) ou a “Máscara” e o “Baile de Quimeras” (projetos comunitários de teatro musical e dança).

 

No dia 21, sábado, dois momentos merecem relevo: “Vai dar Água”, conversas arriscadas protagonizadas por 22 oradoras que, em 3 minutos e 22 segundos, irão falar sobre a importância do envelhecer; e a ante estreia do filme de Gonçalo Almeida, “O Reino do Espírito”, que conta com a participação especial dos Maior Idade.

 

Seminário, conversas e sarau

 

Na segunda metade do festival, após a descoberta de novas comunidades do norte e centro de Portugal, através dos trilhos, Cabelos Brancos apresenta mais propostas especiais.

 

No dia 27, na Casa da Cultura de Ílhavo, sobe ao palco, pelas 14h00, a peça “Clichés, Aqui Não!” que mistura o teatro com a música e que reflete a necessidade de respeitar o direito à mudança. No dia 30, a Casa Gafanhoa, na Gafanha da Nazaré, abre as suas portas para uma conversa com o antropólogo Nuno Costa sobre o papel da “Mulher Cuidadora”, uma realidade social bem identitária do município.

 

Uma das novidades da edição deste ano está reservada para o dia 2 de outubro, na Biblioteca Municipal de Ílhavo, com a realização de um Seminário sobre “O Envelhecer no feminino”, numa organização conjunta entre a câmara municipal e a Associação Nacional de Gerontólogos.

 

Destaque, ainda, para a festa dos artistas amadores seniores, o “Sarau Maior Idade”, que se realiza no dia 4 de outubro, às 21h00, na Casa da Cultura de Ílhavo. O último dia do festival está reservado para o concerto solidário organizado pelo Património dos Pobres e que trará a Ílhavo, também na Casa da Cultura (21h00) o Orfeão Universitário do Porto.

 

 

Partilhar
avatar
  Notificações  
Notificação de