Galetos Dourados: toque brasileiro com mão portuguesa

Onde se come

 

João Manuel Oliveira

 

 

Sabem a diferença entre um restaurante de centro comercial / franchising e um de bairro? Não, não são os ingredientes, porventura até de maior qualidade nos primeiros. Também não é a forma de confecionar pois os segundos podem ter falhas nesse setor, ou ter mudado de cozinheiro.

 

Mas há algo que não falha, independentemente do conceito ou do prato servido num restaurante de “bairro”. É a ligação que temos. São aqueles pequenos pormenores que nos fazem voltar. A pergunta sobre se “pretendemos a carne como é o habitual” ou se abrimos a refeição com uma caipirinha… Nada nos reconforta mais do que o ambiente familiar transmitido por essas palavras.

 

Cada um sente uma casa de diversas formas e o restaurante sobre o qual vos escrevo tem a sua dose de clientes habituais, que vão transmitindo a cultura do estabelecimento a outros. Sim, porque estando fora da zona turística e tendo o nome Galetos Dourados, a maioria das pessoas associará ao que o restaurante é especialista: comida brasileira, onde a brasa é rainha e a carne a sua companhia maior.

 

 

 

 

Uma casa com 30 anos de atividade comprova que mantém os seus clientes mesmo em alturas de maior adversidade, como aquela que nos levou o Sr. Sousa, a alma da casa. Mas a família mostrou estar unida e, como referi, os colaboradores habituais uniram-se para continuar a perpetuar o espírito.

 

Mas esta é uma crónica sobre bem comer e bem beber. E vamos às especialidades da casa, que, como imaginam, passam pela feijoada e picanha à brasileira, a moqueca de peixe à baiana e o bacalhau na brasa e o frango, na versão galeto à passarinho ou galeto à carioca.

 

Mas não nos fiquemos só pela picanha, pode pedir maminha, tomahawk, filet mignon, ossinhos à mineira, picadinho à Ellis Regina… enfim, carnes é algo que não faltam neste espaço… E acompanhamentos também não. Em quase todas as carnes vai poder escolher que degustar com, dos clássicos feijão aos ultra clássicos arroz e/ou batatas fritas, à couve mineira ou a farofa. É escolher. Mas não fiquem tristes os não comedores de carne porque, para além do bacalhau e moqueca já referidos, há outros pratos baseados neste dois. Sairão satisfeitos, sem dúvida.

 

 

 

Quanto à componente vínica, bem, vou começar pela parte não vínica. Neste restaurante, as opções não vínicas são igualmente boas. A caipirinha é de excelente qualidade e pode dar o mote para um início de noite épico. A cerveja belga que têm também acompanha as carnes vermelhas de bom grado. Quanto ao vinho, as opções de Douro e Alentejo estão em maioria mas são de boa qualidade e encaixam nas carnes que vão para a grelha. O serviço é bom e não deslustra.

 

Caros leitores, continuamos a receber as vossas sugestões para gastronomia@magnumwineclub.com ou para os contatos da AveiroMag

 

Preço médio (35 euros) – https://galetosdourados.pt/

Galetos Dourados

R. Eng. Von Haff 7 B,

3800-176 Aveiro

Horários

Segunda a Sábado: 12.00 – 15.00 e 19.00 às 00.00

Encerra ao domingo

Tlf 234427401

Partilhar

Post a Comment