GrETUA com agenda preenchida até final de março

 

 

 

O Grupo Experimental de Teatro da Universidade de Aveiro (GrETUA) lança a sua programação para o primeiro trimestre de 2023 sob o mote “transformação”. Palcos improváveis, dança no silêncio e teatro-instalações, é o que o grupo promete, numa fase que diz ser de mudanças internas.

 

Na área do teatro, para além das já tradicionais sessões da rubrica “À Boca de Cena”, com os convidados Tónan Quito, Miguel Moreira e Teresa Coutinho, destaque para o acolhimento do espectáculo-instalação de Eduardo Molina “A Infinda Apetência da Luz do Sol”, bem como para a continuação do Curso de Formação Teatral iniciado em 2022, desta feita com novos formadores.

 

Para esta nova fase do curso estão programados os seguintes módulos: Direcção de Criação, por Bruno e Nuno dos Reis; Interpretação II, por João Tarrafa; Clown, por Paulo Calatré; Narrativas do objecto, por Ana Silva; Da memória ao gesto, por Magnum Soares; Do gesto ao significado, por Carminda Soares.

 

Dado o número de formandos que transitam da primeira fase do curso, esta nova fase vai ter apenas seis inscrições disponíveis para novos candidatos. A aula de apresentação será no dia 17 de Janeiro.

 

É ainda pela mão de Carminda Soares, uma das formadoras, que o GrETUA transita para a dança, a 11 de março, com a apresentação do espectáculo “Simulacro”, co-criado pela artista Margarida Montenÿ. Já no fim-de-semana a seguir haverá duas apresentações do solo da artista francesa Ophélie Parot “Full of flies”.

Na música, o terreno é vasto e vai desde o fado ao garage-rock, passando pelo kraut acelerado ao ritmo do clubbing e ao experimentalismo electrónico. A abrir o trimestre estão os também-aveirenses 47 de Fevereiro que lançam o seu segundo álbum: autodenominados criadores do futerock e recentes estrelas “levadas ao colo” pelo jornal A Bola – das raras que não nasceram no Seixal.

 

Antes de fechar janeiro, espaço para o Kraut acelerado e experimental dos Kurtis Klaus Ensemble, que abrem a noite de sexta-feira, dia 27, antes de cederem o palco ao projecto aveirense “Lvx Obscvra”.

 

Em fevereiro, o GrETUA leva ao Teatro Aveirense o projeto viseense “Senhor Jorge”, que redimensiona a voz do fadista Jorge Novo através de uma roupagem contemporânea, pela mão de músicos pertences a projetos como The Lemon Lovers, Dada Garbeck ou Unsafe Space Garden. A experiência não acaba aqui e dia 11 é a vez do duo espanhol “LOS SARA FONTÁN” que trazem na mala apenas dois instrumentos: uma bateria e um violino. Dizem não gravar álbuns por militância, a sua área é a da performance e a da improvisação, e interessa-lhes apenas uma questão: se ainda é possível uma carreira não submissa às rotinas convencionais da indústria musical.

 

Por fim, março abrirá com o kraut-club de MÁQUINA logo no dia 4 e reservando o final do mês para a apresentação dos três novos álbuns de Glockenwise, Travo e Gator, the Alligator, nos dias 25 e 30, respectivamente.

 

Partilhar

Post a Comment