AveiroMag AveiroMag

Magazine online generalista e de âmbito regional. A Aveiro Mag aposta em conteúdos relacionados com factos e figuras de Aveiro. Feita por, e para, aveirenses, esta é uma revista que está sempre atenta ao pulsar da região!

Aveiro Mag®

Faça parte deste projeto e anuncie aqui!

Pretendemos associar-nos a marcas que se revejam na nossa ambição e pretendam ser melhores, assim como nós. Anuncie connosco.

Como anunciar

Aveiro Mag®

Avenida Dr. Lourenço Peixinho, n.º 49, 1.º Direito, Fracção J.

3800-164 Aveiro

geral@aveiromag.pt
Aveiromag

GrETUA: O palco inquieto numa Aveiro de brandos costumes

Opinião

Aveiro é uma cidade chata. Conservadora vá, para não ferir suscetibilidades.

Talvez um historiador ou sociólogo possa arriscar uma explicação para este nosso estado - eu não tenho esse engenho. O que sei é que, nesta cidade, a vida se leva de forma tranquila, sem grandes agitações ou mudanças.

Votamos à direita, salvo raras ocasiões, e o jornal que lemos é o Diário de Aveiro (e agora a Aveiro Mag, claro). Temos um cinema e quando vamos ao teatro, uma vez por ano, é ao Teatro Aveirense. A vida e oferta noturna sempre foi escassa e, por isso, muitas vezes temos que fugir para paragens mais animadas.

Comemoramos de forma regrada o carnaval, não nos encanta o São João e é apenas e só no São Gonçalinho que nos esquecemos de conter emoções e falamos alto, abraçamo-nos e cantamos e dançamos como se não houvesse amanhã.

Diria então que (cavacas à parte) gostamos de uma certa ordem nas coisas. Somos equilibrados, dirão alguns, uma cidade aborrecida, dirão outros.

Felizmente, com o crescimento do turismo, da universidade e a chegada de novas pessoas, as coisas têm mudado um pouco. Mas só um pouco (que, como sabem, não somos gentes de grandes mudanças).

Ora, numa cidade assim rareiam projetos e pessoas que ousam ser e pensar de forma diferente. Temos por isso uma atividade cultural escassa e uma comunidade artística praticamente inexistente.

Mas eis que surge ao longe uma pequena aldeia de irredutíveis que resiste à invasão da monotonia! Falo do GrETUA - Grupo Experimental de Teatro da Universidade de Aveiro.

Com um espaço para espetáculos só comparável com a dimensão do seu orçamento - pequenino - o GrETUA tem uma programação que vai da música, ao teatro e às artes performativas. É dos poucos sítios onde vou, sem saber para o que vou, porque sei que a qualidade do que vou ver e ouvir é sempre acima das minhas expectativas. Mesmo quando não gosto, gosto.

O mérito vai todo para o Bruno dos Reis e a sua equipa. O Bruno não só é um dos mais talentosos atores que já tive oportunidade de ver, como se tornou num extraordinário programador cultural e formador de novos artistas. É fantástico ver como uma pequena equipa de pessoas é capaz de construir palcos e cenários, criar uma programação cultural rica e diversa e ainda fazer os cartazes que eles próprios colam pela cidade. Não o fazem como um grupo de universitários esforçados, fazem-no com a mesma qualidade que se exige a uma (boa) companhia profissional de teatro.

Numa cidade onde os poucos Brunos que existem ou foram para outros locais ou tornaram-se iguais a nós para melhor subsistirem, temos obrigação de os acarinhar.

Automobilia Publicidade

Um Bruno de camisa e mais politizado já teria certamente um cargo aqui ou acolá, mas teríamos perdido o rasgo e a criatividade do visionário. À falta de reconhecimento daqueles que decidem talvez não agradeça o Bruno, mas agradece o GrETUA e todos aqueles que lá trabalham e agradecemos nós, aqueles que têm oportunidade de ver os espetáculos que por lá passam (e que esgotam sempre).

Em 2024, Aveiro será capital da Cultura e era bom que estas pessoas fossem incluídas naquilo que vai ser feito - porque mais do que grandes espetáculos (que também são importantes) interessa criar hábitos, rotinas e novas pessoas que tornem a cultura e as artes algo permanente na cidade e não apenas coisas-para-inglês-ver.

@Ribau Esteves, o parágrafo acima era para si ;)

Nota de rodapé: Já não me resta espaço para tal, mas o trabalho nos últimos anos do 23 Milhas, o departamento responsável pela programação cultural da CM de Ílhavo (apesar das crescentes dificuldades) é notável. Era muito bom para toda a região que conseguissem manter a qualidade e a irreverência a que já nos habituaram.

Deixa um comentário

O teu endereço de e-mail não será publicado. Todos os campos são de preenchimento obrigatório.