AveiroMag AveiroMag

Magazine online generalista e de âmbito regional. A Aveiro Mag aposta em conteúdos relacionados com factos e figuras de Aveiro. Feita por, e para, aveirenses, esta é uma revista que está sempre atenta ao pulsar da região!

Aveiro Mag®

Faça parte deste projeto e anuncie aqui!

Pretendemos associar-nos a marcas que se revejam na nossa ambição e pretendam ser melhores, assim como nós. Anuncie connosco.

Como anunciar

Aveiro Mag®

Avenida Dr. Lourenço Peixinho, n.º 49, 1.º Direito, Fracção J.

3800-164 Aveiro

geral@aveiromag.pt
Aveiromag

Viagens na nossa terra: Boco, terra de azenhas e moinhos

Roteiro

 

 

São muitos os prazeres na vida. Um deles é sentir um jorro de calor atingir a nossa pele e penetrar-nos na carne até aos ossos num dia frio de inverno. É sábado de manhã no Boco e pequenas nuvens de vapor evolam-se da minha boca à medida que respiro ou falo. Na Azenha da Ti Luísa, uma fogueira alimentada por pequenos troncos cilíndricos crepita, com os seus estalidos secos, a um canto do telheiro, junto ao forno. A chuva, que não pára de cair, ressalta na superfície do telheiro, onde Ilídia Neves dispõe três bancos perto das chamas. "Sabe bem estar ao borralho", diz-me. Ela e eu somos os primeiros a sentar-nos. O marido, Alfredo Neves, juntar-se-á mais tarde.

O Boco, uma pequena aldeia do concelho de Vagos, era terra de moleiros. Hoje em dia contabilizam-se 14 azenhas e três moinhos de água, mas muitos deles estão em ruínas ou em mau estado de conservação. A Azenha da Ti Luísa e a Azenha da Fonte são os únicos em pleno funcionamento; existem ainda três azenhas e um moinho bem preservados mas com falta de roda.

Ilídia mostra-me a azenha, aninhada num pequeno vale verdejante ao qual se acede por um trilho irregular de terra batida a partir do largo da capela, antes de nos instalarmos junto ao fogo. Esta mulher de 65 anos é hoje uma das últimas guardiãs da broa mimosa, cuja confeção é uma atividade ancestral que a Confraria dos Sabores da Abóbora e a associação Pro.Boco querem evitar que definhe até morrer. “Ainda há quem faça, mas são pessoas mais velhas. Os novos não querem saber”, lamenta.

Ilídia, que é cozinheira numa creche, aprendeu a receita com uma avó do marido. “Leva ovos, manteiga, farinha de trigo, farinha de milho e canela. O essencial é a canela, é o que dá o saber à broa”, explica. A massa é depois cozida em forno a lenha. Atualmente, a broa mimosa só está disponível na freguesia de Soza por altura das festas da Senhora das Candeias e de Santo Inácio, na Feira Anual da Abóbora e uma vez por mês na sede da confraria, numa bonita casa gandaresa em recuperação.

Entretanto, Alfredo chega e junta-se à conversa. Conta que a Azenha da Ti Luísa é um engenho de família que tem sido transmitido de pais para filhos. Não se conhece a data da construção, mas sabe-se que laborou até ao final da década de 1960. A Ti Luísa, sua avó, foi a última moleira. Os pais de Alfredo emigraram para França e a azenha ficou abandonada, até que, há cerca de dez anos, decidiu pô-la novamente a funcionar. “Fizemos algumas reparações, mas nunca ficou em muito mau estado”, diz. Construir a roda, com a madeira de um pinheiro tombado numa tempestade, foi a primeira tarefa, pelas mãos do mestre Dorindo Alves, de Sosa, ainda vivo.

Festa Publicidade

Alfredo fala do fuselo do carreto, do cabouco e de outras peças da engrenagem e eu aceno com a cabeça e solto uns “hum hum” para tentar não parecer demasiado ignorante. Este homem de 65 anos, que trabalha na fábrica da Vista Alegre há mais de quatro décadas, é o atual moleiro da azenha, produzindo farinha de milho. O cereal é agora providenciado pela Pro.Boco, instituída em 2023 e de que é o presidente. As sementes de milho tradicional português foram fornecidas por umas velhas lavradoras de Casal de São Tomé, em Mira, e a produção do ano passado já serviu para a confeção das últimas fornadas de broa.

A nova associação é formada por moradores da aldeia que conhecem os seus usos e costumes e têm um interesse afetivo por eles – e que por isso não os querem ver desaparecer. Manter a produção da broa mimosa é uma das preocupações, em parceria com a confraria. No seu primeiro ano, a Pro.Boco dedicou-se também a fazer uma recriação histórica de tradições locais, à apanha, desfolhada e debulha do milho, à limpeza das levadas ou à celebração do Dia dos Moinhos, em que a Azenha da Ti Luísa, que pertence a uma rede nacional de moinhos, esteve aberta a visitas.

É quase hora de almoço. Aproximo as mãos do lume pela última vez, despeço-me dos meus anfitriões e subo até a parte alta do Boco, que integra desde 2022 a rede Aldeias de Portugal. Entro no café na terra, onde um gato branco está enroscado numa cadeira e um jornal do dia está pousado no tampo de uma mesa, com as palavras cruzadas já preenchidas. Novamente na rua, vejo vários ciclistas montados nas suas bicicletas, a chegar ou a partir para o Trilho das Levadas das Azenhas do Boco, que vale a pena percorrer, seja a caminhar ou a pedalar (são cerca de quatro quilómetros e o trajeto é circular). Aproveitando umas tréguas da chuva, dou um passeio rápido pelas redondezas, antes de regressar ao carro. De volta a Aveiro, percorro as ruas da aldeia e observo algumas casas gandaresas, típicas da região de Vagos, Mira e Ílhavo, outro património local que um projeto em curso envolvendo autarquias e a universidade quer proteger.

Apelo a contribuição dos leitores

O artigo que está a ler resulta de um trabalho desenvolvido pela redação da Aveiro Mag. Se puder, contribua para esta aposta no jornalismo regional (a Aveiro Mag mantém os seus conteúdos abertos a todos os leitores). A partir de 1 euro pode fazer toda a diferença.

IBAN: PT50 0033 0000 4555 2395 4290 5

MB Way: 913 851 503

Deixa um comentário

O teu endereço de e-mail não será publicado. Todos os campos são de preenchimento obrigatório.