AveiroMag AveiroMag

Magazine online generalista e de âmbito regional. A Aveiro Mag aposta em conteúdos relacionados com factos e figuras de Aveiro. Feita por, e para, aveirenses, esta é uma revista que está sempre atenta ao pulsar da região!

Aveiro Mag®

Faça parte deste projeto e anuncie aqui!

Pretendemos associar-nos a marcas que se revejam na nossa ambição e pretendam ser melhores, assim como nós. Anuncie connosco.

Como anunciar

Aveiro Mag®

Avenida Dr. Lourenço Peixinho, n.º 49, 1.º Direito, Fracção J.

3800-164 Aveiro

geral@aveiromag.pt
Aveiromag

A missão deste movimento é nobre mas faltam pessoas para dar uma ajuda

Sociedade

Ao mesmo tempo que erradicam o desperdício de alimentos combatem a fome, ajudando quem mais precisa. São cidadãos comuns, movidos por um espírito 100% voluntário, e levam por diante a missão de uma organização que dá pelo nome de Re-food.

Em Aveiro, a organização tem vindo a apoiar um cerca de 60 pessoas, reaproveitando, em média, cerca de 3 toneladas de comida por mês. A operação é, aparentemente, simples: faz-se uma recolha de alimentos excedentes de restaurantes, cafés, supermercados e outros, distribuindo-os, depois, junto de quem mais necessita. Mas a verdade é que, por Aveiro, têm faltado pessoas para dar uma ajuda.

“Estamos com dificuldades em angariar voluntários e sem eles é muito difícil levar por diante esta nossa missão”, aponta Elisa Mendes, uma das responsáveis pelo Re-food Aveiro.

Neste momento, o núcleo aveirense, a funcionar no bairro de Santiago, conta apenas com 25 voluntários. Faltam mais, especialmente “pessoas que tenham alguma disponibilidade entre as 9h00 e as 11h00 ou as 14h00 e as 15h30”, especifica aquela responsável.

“Não tem de ter ser todos os dias. Basta que tenha uma manhã ou uma hora de almoço livre. Quantos mais formos, menos pesa para a restante equipa”, realça, ainda, Elisa Mendes.

Fazer recolhas e também a distribuição

Da parte da manhã, o trabalho dos voluntários da Re-food passa por “deixarem embalagens nos restaurantes e cantinas e recolherem as que já têm comida”, especifica aquela responsável. As recolhas vão, depois, para o centro de operações onde, ao final da tarde, são preparadas as doses individuais a servir aos beneficiários. “Cada um vai buscar o seu saco”, revela.

E se os voluntários vão escasseando, a comida também começa a ser “resvés Campo de Ourique”, alerta Elisa Mendes. “Precisamos que mais restaurantes, supermercados, cafés e hotéis de Aveiro adiram a esta causa”, acrescenta.

Basta que entrem em contacto com a Re-food Aveiro para começarem a fazer parte desta missão nobre.

Em Aveiro há quase quatro anos

O movimento Re-food nasceu em Portugal, em março de 2011, pelas mãos de Hunter Halder, um americano radicado no nosso país.

A ideia surgiu num jantar com o filho, que lhe perguntou qual era o destino da comida que sobrava, ao que este respondeu que iria para o lixo. Hunter não esqueceu o assunto e de bicicleta começou a percorrer vários restaurantes de Lisboa, em busca das sobras diárias.

Estavam, assim, lançadas as sementes para a constituição de um movimento que viria a alastrar-se a várias cidades do país. Chegou a Aveiro em outubro de 2015.

Festa Publicidade

Apelo a contribuição dos leitores

O artigo que está a ler resulta de um trabalho desenvolvido pela redação da Aveiro Mag. Se puder, contribua para esta aposta no jornalismo regional (a Aveiro Mag mantém os seus conteúdos abertos a todos os leitores). A partir de 1 euro pode fazer toda a diferença.

IBAN: PT50 0033 0000 4555 2395 4290 5

MB Way: 913 851 503

Deixa um comentário

O teu endereço de e-mail não será publicado. Todos os campos são de preenchimento obrigatório.