AveiroMag AveiroMag

Magazine online generalista e de âmbito regional. A Aveiro Mag aposta em conteúdos relacionados com factos e figuras de Aveiro. Feita por, e para, aveirenses, esta é uma revista que está sempre atenta ao pulsar da região!

Aveiro Mag®

Faça parte deste projeto e anuncie aqui!

Pretendemos associar-nos a marcas que se revejam na nossa ambição e pretendam ser melhores, assim como nós. Anuncie connosco.

Como anunciar

Aveiro Mag®

Avenida Dr. Lourenço Peixinho, n.º 49, 1.º Direito, Fracção J.

3800-164 Aveiro

geral@aveiromag.pt
Aveiromag

“Olá, linda”, um manual para todos os pais

Opinião

 

 

Mais do que um romance, “Olá, linda” é um manual para os pais que nos revela e demonstra a importância do amor e das demonstrações de afeto pelos nossos filhos, para a construção da sua personalidade. Falo em construção de personalidade e não – naquilo que hoje mais se valoriza – na educação para o sucesso profissional.

Já aqui me fui expondo pelos comentários que vou fazendo e, por isso, não é surpresa dizer que sou mais uma pessoa de afetos do que de bens materiais, valorizo muitíssimo mais as qualidades das pessoas enquanto seres humanos do que o sucesso que estas eventualmente possam ter, ou não, no domínio social, profissional e financeiro.

Foi este o espírito que encontrei neste livro, naturalmente muitíssimo mais bem escrito do que alguma vez seria capaz, este livro conta-nos através da vida desta família como aquilo que verdadeiramente marca os filhos e deixa marcas para o futuro, mais do que o estrato sócio-económico-cultural em que estão inseridos e o acesso aos bens materiais que isso lhes proporciona, é o amor ou a ausência do amor dos pais.

De uma forma mais simples e acessível do que qualquer estudo ou tratado de psicologia, Ann Napolitano revela-nos , através do relato da vida de um jovem que se cruza com a história e a vida das irmãs Napolitano, o poder que o amor dos pais tem para a sua vida e para a sua autoestima.

A leitura deste livro transportou-me à minha infância e juventude, em que me sentia – e ainda hoje sinto, em alguns dias – como uma das filhas Padavano, a quem o pai faz sentir diariamente especiais, transmitindo-lhes a confiança de que nada lhes será impossível ou que, sendo difícil de atingir, o colo das pessoas certas está garantido!

Ann Napolitano, autora de “Querido Edward”, um livro considerado um bestseller imediato pelo New York Times e considerado como um dos melhores romances de 2020 pelo Washington Post, i, Amazon, Real Simple, Fast Company, Parade e Woman’s World, presenteia-nos com esta doçura de livro sobre o amor, o amor mais genuíno, verdadeiro e desinteressado que é o amor dos pais pelos filhos e, por vezes também, com sorte, o amor que existe entre alguns casais que amam o outro não pela pessoa que é, mas precisamente por aquilo que a vida fez dele e pela forma como conseguiu ultrapassar todos os obstáculos que a vida lhe colocou e.... sobreviveu e teve capacidade de arriscar o amor!

Este livro conta-nos a história de William Waters, um menino que cresce numa família marcada por uma tragédia e dor enormes e que marcam a sua infância pela ausência de pais presentes e incapazes de amar. A vida de William adquire um novo sentido quando, na Universidade, conhece Julia Padavano, uma jovem ambiciosa e destemida que é exatamente o seu oposto e parece capaz de completar as suas lacunas e ausências.

Ao conhecer Júlia, William entra para a família Padavano, pois Julia, as irmãs e os pais são inseparáveis e unidos pela cola invisível do amor e da cumplicidade que existe nas famílias onde o amor supera tudo. É delicioso ler a forma como as quatro irmãs são apresentadas, cada uma com caraterísticas muito singulares embora essas caraterísticas escondam, muitas vezes, outra personalidade distinta. Julia é-nos apresentada como a irmã líder, determinada e com um projeto para a sua vida (e do seu futuro marido) e das irmãs. A sua irmã mais próxima, Sylvie é uma bibliotecária sonhadora que encontra a felicidade nos livros (como me identifico!) e vive a fantasiar com o amor verdadeiro – que encontra... mas vai trazer-lhe muito sofrimento interior para assumir. Além de Julia e Sylvie, a família Padavano tem mais duas filhas gémeas, Cecelia, um espírito livre, apaixonado pelas artes, e Emeline, a filha que cuida pacientemente de todos eles. Quando se apaixona por Julia, William além de ganhar uma namorada, entra para uma família onde o caos e o amor convivem alegremente com a confusão e cumplicidade. “William sempre soubera que casara não só com a sua mulher mas também com a sua família.”

Ao entrar para a família Padavano, William conhece, finalmente, o que é uma família a sério e o que é o amor dos pais, aquele amor que nunca teve e que deixou em si uma marca impossível de apagar. A sua tristeza parece desvanecer quando está com os Padavano e se deixa contagiar pela sua felicidade “(...) este rapaz merecia pais que lhe beijassem a bochecha como os seus pais beijavam a sua.” “William tinha sido criado por pais infelizes, e tinha sido infeliz desde as suas memórias mais antigas. Sabia que um pai podia ser presente e não-violento na vida de um filho e ainda assim destruir esse filho. A dor dos pais de William tinha-lhe dado forma, como um glaciar movendo-se silenciosamente através de um vale.”

Festa Publicidade

Os pais Padavano são muito diferentes dos pais de William, financeiramente enfrentam muito mais dificuldades, mas estas não se refletem na sua relação com as filhas que sentem, todos os dias, o quanto os pais as amam, apesar de o fazerem de forma diferente: “Rose nunca pronunciara a palavra ‘amor’ diante das raparigas; estas simplesmente sabiam que ela as amava devido à atenção furiosa que lhes dedicava”. Já o pai Padavano era, tal como Sylvie, um apaixonado pela arte e tratava as suas filhas com um amor muito especial, valorizando aquilo que eram as suas singularidades, conhecendo-as e valorizando-as mais do que elas próprias. “Sylvie e as irmãs tinham-se conhecido a elas próprias sob o olhar do pai. E, sem esse olhar, os fios que uniam tao estreitamente a família tinham-se quebrado. O que era natural exigiria agora esforço.” A mãe, mais ambiciosa do que o pai, lamentava a falta de ambição deste, mas o pai não se deixava afetar por essa crítica e dedicava-se às suas quatro mulheres, as três filhas e mulher, com uma devoção única. “(...) Mas porque culpava a poesia dentro de Charlie pela falta de sucesso na vida. A razão para o seu salário se manter pequeno, a razão para ele não se chatear quando a caldeira avariava e preferir levá-la a admirar uma lua cheia, a razão para não se preocupar com o que as pessoas pensavam dele e, apesar disso, ter centenas de pessoas no seu funeral.”

Mais do que irmãs, as Padavano eram as melhores amigas umas das outras e viviam numa cumplicidade que parecia indestrutível, “(...) as quatro raparigas Padavano partilhavam as suas vidas, celebrando e utilizando as forças umas das outras, cobrindo as fraquezas umas das outras. Júlia era a organizadora e líder, Sylvie, a leitora e voz sensata, Emeline, a cuidadora, e Cecilia, a artista.”

Julia, determinada e obstinada traçou um projeto para a sua vida, no qual todos os passos já estavam definidos e temporalizados e William, que era uma peça neste projeto de vida, só teria que os seguir “Julia acreditava em vários passos diretos: a educação levava a um casamento melhor, que, por sua vez, levava a um número razoável de filhos, à segurança financeira e, depois, à propriedade imobiliária.” William, perdido na vida e recém chegado ao mundo dos afetos em que é introduzido pela ãao de Julia, segue o seu plano sem questionar e casa-se com Julia como planeado: “William teve certa vez a sensação de que a sua noiva andava pelo mundo com a batuta de maestro, enquanto Sylvie empunhava um livro, e Cecilia, um pincel; Emeline, contudo, mantinha as mãos livres para poder ser útil ou pegar ao colo e confortar uma criança da vizinhança.”

Tudo parecia correr conforme planeado, até a vida de William e a cumplicidade das irmãs Padavano sofrem uma prova de força quando William se apaixona pela irmã da mulher e depois de muito resistirem ambos, acabam por ceder ao amor. “Foi-me difícil aceitar o facto de que não escolhemos quem amamos, porque quem amamos muda tudo.” Este amor, que tem mais de genuíno do que o amor de William e Julia que se inseria num projeto de vida. Na verdade, William e Sylvie tinham em comum a ausência de certezas, ao contrário de Julia, a procura da parte que lhes faltava para se sentirem completos. “Quando o nosso amor por uma pessoa é tão profundo que é parte de quem somos, então, a ausência da pessoa torna-se parte do nosso ADN, dos nossos ossos, da nossa pele.” “Eu e tu somos farinha do mesmo saco, querida. Nenhum de nós espera que a escola ou o trabalho nos preencha. Olhamos pela janela, ou para dentro de nós mesmos, em busca de algo mais. (...) Sabes que és mais do que uma auxiliar de biblioteca e uma estudante universitária, não sabes? És Sylvie Padavano. (...) É por saberes que é possível conseguir algo mais que vês sempre quão inútil é seguir uma regra estúpida ou estar presente numa aula chata. A maioria das pessoas não percebe esta distinção, por isso faz apenas o que lhe mandam.”

E se as “quatro irmãs tinham batido a um só coração a maior parte das suas vidas”, quando Sylvie e William se apaixonam, a personalidade determinada e previsível de Julia vacila, ao compreender que nem tudo pode ser antecipado e previsto e a vida tem surpresas, às vezes muito amargas e difíceis de resolver. Julia “passara toda a vida a tentar resolver os problemas das outras pessoas – dos pais, das irmãs, de William -, mas esse fora um empreendimento infrutífero, via-o agora. Não conseguira manter o pai vivo, nem a mãe em Chicago, nem Cecília celibatária, nem tornar William ambicioso. Tinha estado apenas a aperfeiçoar as suas capacidades para agora, para o que importava, a maternidade.”

Ao sentir que o seu plano enfrentava uma reviravolta, Julia vai, com a sua filha, viver para longe das irmãs e testa aquilo que era, até então, certo e inabalável: a amizade e cumplicidade indestrutível entre as quatro irmãs. “O facto de ter falhado significava que tinha de começar a avançar com a sua história de vida – os seus erros -, pendurada ao ombro como uma mochila pesada. Este facto exauria-o, mas ele exauria-o, mas ele estava demasiado cansado para o rejeitar.” Julia afasta-se das irmãs porque não consegue viver diariamente com a realidade do seu marido se ter apaixonado pela irmã e espera, ao afastar-se, viver o seu projeto de vida mas, a verdade, é que mesmo separadas por centenas de quilómetros, a ausência da irmãs a deixa triste e incompleta. “Seria possível que ela estivesse a desmoronar em Nova Iorque porque a irmã estava a morrer em Chicago? Que houvesse fios invisíveis que as conectassem, que elas não pudessem ver e, portanto, não pudessem cortar?”

Além desta bonita história e elogio ao amor dos pais e à busca pelo amor verdadeiro, este livro revela-nos também o olhar atento da autora ao mundo de hoje em que o que mais importa é parecer alegre e estupidamente feliz, ocultando qualquer momento de tristeza ou depressão pelo qual possamos estar a passar. “Estás deprimido, não louco. Não é insanidade estar deprimido neste mundo. É mais são do que estar feliz. Nunca confiei naqueles indivíduos sempre animados que sorriem aconteça o que acontecer. Esses é que têm um parafuso a menos, se queres saber.” “Não suporto fingir felicidade.”

Retive ainda deste livro, a forma como a sociedade olha para os homens e as mulheres num caso de divórcio, em que as mulheres acabam por sofrer muito mais com os estigmas da sociedade e as consequências do divórcio. “É uma coisa horrível, ser uma mulher divorciada. Os homens podem recuperar do fim de um casamento, mas as mulheres não. Queres mesmo deitar a tua vida para o lixo? Só tens 23 anos.”

Com a leitura de “Olá linda!” vão valorizar mais ainda o amor pelos filhos e pela pessoa que vos completa, pois é esse amor que nos preenche e nos traz a força e felicidade para vivermos com a certeza de que a vida é um presente que merece ser desembrulhado e partilhado com aqueles que nos amam. E todas as leituras que nos ajudam a amar mais e a não temer o amor, valem a pena!

Boas leituras e até às próximas páginas.

Deixa um comentário

O teu endereço de e-mail não será publicado. Todos os campos são de preenchimento obrigatório.